conecte-se conosco


Policia Federal

Operação Hipaspistas combate atuação de facção criminosa em Roraima

Publicado

em

Boa Vista/RR – A Polícia Federal deflagrou hoje (10/7) a Operação *Hipaspistas, que tem o objetivo de impedir a consolidação de lideranças e de reorganização regional de facção criminosa que atua dentro e fora do sistema prisional em todo o País. As investigações deram sequência aos trabalhos que culminaram com a operação Érebo, deflagrada ao final de novembro de 2018, na qual PF identificou e mapeou a estrutura da organização criminosa em Roraima, além de atribuir aos responsáveis os ataques que ocorreram em Roraima entre 29 e 31 de julho do ano passado.

Mais de 150 policiais federais cumprem 35 mandados de prisão preventiva e 28 mandados de busca e apreensão, nos municípios de Boa Vista, Rorainópolis, Caracaraí e Mucajaí, no estado de Roraima, e em Santos/SP, Londrina/PR e Ponta Grossa/PR. Os mandados foram expedidos pela Vara de Entorpecentes e Organizações Criminosas da Justiça Estadual em Roraima, após representação da Autoridade Policial pelas medidas. A operação contou com o apoio do Departamento Penitenciário Nacional, da Divisão de Inteligência e Captura da Secretaria de Justiça e Cidadania de Roraima e do Ministério Público Estadual.

Após o cumprimento de 45 mandados de prisão preventiva da Operação Érebo, a facção criminosa iniciou processo de reestruturação no estado de Roraima, inclusive com a indicação de novos líderes, com o fim de possibilitar maior efetividade na prática de crimes. Este processo foi acompanhado pela Polícia Federal em Inquérito Policial, de forma que a investigação possibilitou, novamente, a identificação das atividades desempenhadas por cada um dos principais membros dentro da estrutura da organização.

A angariação destas provas fundamentou o pedido das 35 prisões, que vão garantir a manutenção da redução das atividades da facção no estado. Parte das lideranças do grupo em Roraima coordenam as atividades a partir de outros estados, e a maior parte dos alvos dos mandados já possui indiciamentos ou condenações em outros crimes.

Os crimes imputados aos alvos são a participação em organização criminosa, com uso de arma de fogo e com agravamento da pena para quem exerce o comando da organização, bem como o crime tráfico de drogas. As penas destes crimes, somadas, podem ultrapassar os 25 anos de prisão.

 

 

 *Hipaspistas – O nome da operação remete às unidades de elite do exército macedônico que foram decisivas na batalha de Gaugamela (331 a.c.). Mesmo em desvantagem numérica de 5:1 a favor do exército de Dario III, as forças do imperador Alexandre derrotaram o exército opositor centrando sua estratégia na liderança persa.

 

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policia Federal

PF combate concussão e lavagem de dinheiro em Vila Velha/ES

Publicado

em

por

Vila Velha/ES – A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (19/7) a Operação Endosso, com o objetivo de desarticular suposto esquema criminoso voltado à prática de Rachid, perpetrado por um vereador do município de Vila Velha. A operação foi realizada em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Espírito Santo, e em decorrência das ações realizadas no Fórum de Combate à Corrupção no Espírito Santo – FOCCO/ES.

Aproximadamente 20 policiais federais cumpriram cinco mandados de busca e apreensão, nas cidades de Vila Velha/ES e Viana/ES, nas residências dos envolvidos.

As investigações apontaram que alguns assessores devolviam parte da remuneração que recebiam da Câmara Municipal de Vila Velha para o vereador que os indicou. Os repasses eram realizados através de saques de contas bancárias dos assessores acompanhados de imediatos depósitos em contas de terceiros, além da conta de uma empresa do vereador.

Os investigados poderão responder pelos crimes de concussão (art. 316 do CPB) e lavagem de dinheiro (art. 1º da Lei 9.613/98), cujas penas somadas poderão alcançar 4 a 14 anos de reclusão.

 

Continue lendo

Polícia

Política MT

Política Nacional

Polícia Federal

Mais Lidas da Semana