conecte-se conosco


Política Nacional

Ministro diz que Bolsonaro poderia ter esperado para falar de indicação do filho

Publicado

em

ministro arrow-options
Reprodução/Agência O Globo/Jorge William

Ministro da Secretaria do Governo defendeu preparação de Eduardo para o cargo

O ministro Luiz Eduardo Ramos , da Secretaria de Governo ( Segov), afirmou nesta sexta-feira (12), em café com jornalistas, que o presidente poderia ter esperado ao menos uma semana para anunciar a possível  indicação do filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para a Embaixada nos Estados Unidos.

Leia também: “Não é nepotismo, jamais faria isso”, diz Bolsonaro sobre Eduardo em embaixada

Ele admitiu que a notícia em meio à votação dos destaques da reforma da Previdência na Câmara foi utilizada politicamente, mas observou que  Bolsonaro tem “momentos” ao fazer pronunciamentos. “ Se podia anunciar semana que vem, no recesso? Talvez. Vários deputados citaram essa nomeação, podia ter evitado”,  disse o ministro.

Ramos justificou que, neste momento, o presidente manifestou a intenção de indicar o filho e citou como exemplos de outras declarações que não se concretizaram a ideia de transferir a Embaixada de Israel para Jerusalém.

“Meu amigo Bolsonaro tem esses momentos. Vou citar a famosa ‘vou levar embaixada pra Jerusalém’. Eu pergunto: hoje está onde? Em Tel Aviv. Ele manifestou uma intenção”, observou.

O ministro -chefe da Segov saiu em defesa de Eduardo, a quem chamou de “um jovem preparado”. Disse que a nomeação dele “não contraria a lei”  e citou que outros políticos já foram indicados para o cargo, como o vice-presidente Itamar Franco (1930 – 2011), nomeado embaixador em Portugal, pelo ex-presidente Fernando Henrique.

Leia também: Bolsonaro pode se igualar a ditadores caso indique filho à embaixada; veja caso

Outro caso lembrado foi o do ex-deputado Tilden Santiago, embaixador em Cuba entre 2003 e 2006, no governo Luiz Inácio da Lula da Silva. “Não contraria Lei. Já houve no passado indicação de políticos. O Eduardo é político”, disse.

Para justificar o fato de Eduardo ser filho de Bolsonaro, Ramos recorreu ao presidente americano John Kennedy, que teve o irmão Robert Kennedy como procurador-geral.

“Braço direito de John Kennedy era seu irmão”, pontuou.

Leia também: Imprensa internacional compara Eduardo Bolsonaro a Ivanka Trump

Ramos disse que ainda não conversou com o presidente sobre a possível nomeação de Eduardo Bolsonaro . “É um direito do presidente de se manifestar intenção de ter o filho embaixador, vamos aguardar o desenrolar dos acontecimentos, ainda não conversei com presidente. Aprendi a não entrar na área dos outros, essa área quem tem que estar envolvido é o Itamaraty.”

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Fritura imposta por Ciro deve levar PDT a divórcio traumático com Tabata Amaral

Publicado

em

por

IstoÉ

tabata amaral arrow-options
Cleia Viana/Câmara dos Deputados – 27.3.19

Deputada Tabata Amaral será alvo de processo disciplinar no PDT devido a voto divergente na reforma

O que era uma relação calorosa e de simpatia mútua se encaminha para um tumultuado divórcio. O vice-presidente do PDT e figura proeminente do partido, Ciro Gomes, e a jovem estrela em ascensão da política nacional, Tabata Amaral (PDT-SP), que já estiveram em lua de mel, entraram em conflito depois que ela contrariou a orientação da legenda ao votar a favor da reforma da Previdência.

Parece ser uma ruptura definitiva. Ciro defendeu imediatamente a expulsão de Tabata Amaral , assim como a de outros sete deputados pedetistas que votaram como ela. Usou palavras como “desgosto” e “decepção” para expressar sua contrariedade específica com a ex-aliada. Deu forte munição para a reunião na quarta-feira (17), quando a Executiva Nacional do PDT concluiu que os parlamentares traíram os princípios da legenda e decidiram suspender provisoriamente os oito deputados . Haverá um processo e, ao final de 60 dias, eles correm o risco de serem expulsos.

Apesar de envolver vários parlamentares, as críticas da liderança se concentraram em Tabata. Ciro , que participava de um evento do PDT em São Paulo, na semana passada, defendeu que ela saísse do partido. Disse que a vida de Tabata tende a se complicar diante da votação de novos temas, como a reforma tributária, em que possivelmente divergirá da orientação da legenda. “O partido dela não é esse. Vai ser um inferno a vida dela. Porque cada um desses embates tem a ver com o tipo de visão de mundo que você tem”, disse.

A fúria do partido se estendeu também para o novo modelo político que Tabata representa. Ficou decidido na reunião da cúpula não aceitar nas próximas eleições candidaturas que tenham como patrocínio grupos particulares, como o RenovaBR, do qual ela é uma expoente.

Para o presidente do PDT, Carlos Lupi , tratam-se de “grupos clandestinos” que querem substituir os partidos. “O partido não dará legenda, nem a vereador, nem a deputado, nem a nenhum filiado que tenha financiamento clandestino, financiamento patrocinado por organizações pessoais, privadas, particulares, de gente muito poderosa, que se utiliza de grupos para financiar e ter o voto de parlamentares dentro da sigla do PDT ”, afirmou.

Tabata vem sendo apoiada em sua carreira política pelo empresário Jorge Paulo Lemann. Durante a campanha foi um dos nomes defendidos pelo grupo RenovaBR e hoje é uma das líderes do movimento Acredito. A assessoria da deputada informou que ela não iria se manifestar sobre a suspensão. Mas o movimento RenovaBR divulgou uma nota na qual questiona a perseguição à Tabata. “Causa estranheza que oito deputados federais do PDT tenham votado a favor da reforma e que os ataques sejam centrados na deputada e nos movimentos cívicos de renovação política”, disse em nota.

Leia também: Expulsões de deputados ferem cofres dos partidos, mas não mudam fundo partidário

Política dogmática

Carlos Lupi arrow-options
Ailton de Freitas/Agência O Globo

não somos uma legenda de aluguel, temos tradição e história” – Carlos Lupi, presidente do PDT

Em artigo, Tabata  criticou a falta de democracia nos partidos e denunciou a perseguição que está sofrendo. “A boa política não pode ser dogmática”, escreveu. “Muitas vezes, consensos sobre pautas complexas não são construídos de baixo para cima, e cartilhas antigas se sobrepõem aos estudos e evidências”. Segundo ela, “quando algum membro decide tomar uma decisão que considere responsável e fiel ao que acredita ser importante para o país, há perseguição política. Ofensas, ataques à honra e outras tentativas de ferir a imagem tomam o lugar do diálogo. Exatamente o que vivo agora”, completou.

Foi aberto processo para estabelecer que tipo de punição será aplicada a cada um dos oito deputados. Até lá, eles não poderão falar pela sigla no Congresso, nem representar o partido. Além de Tabata, os outros suspensos são Alex Santana (BA), Flávio Nogueira (PI), Gil Cutrim (MA), Jesus Sérgio (AC), Marlon Santos (RS), Silvia Cristina (RO) e Subtenente Gonzaga (MG).

Quanto à possibilidade do partido perder oito parlamentares, Lupi é sucinto. “Mais forte do que o número de deputados são as convicções que nos unem”, disse. “Não somos uma legenda de aluguel, temos tradições e história”.

Embora critique Tabata, Ciro não tem motivos para ser tão duro nos seus ataques. Há 15 anos, ele peitou o PPS, partido ao qual era filiado na época, e decidiu permanecer à frente do Ministério da Integração Nacional. Contrariou a posição da legenda, que havia decidido sair da base do governo Lula.

Em 2018, nas vésperas da eleição, ele almoçou com a família de Tabata, na Vila Missionária, em São Paulo, para o lançamento informal de sua candidatura a deputada. Na ocasião ele se referiu à ela como “tesouro” e a classificou como “uma das maiores ativistas da educação no Brasil”. Quem mudou, Tabata Amaral ou Ciro Gomes? Nenhum dos dois. Tabata permanece como uma das maiores promessas da política nacional. E Ciro… é o velho Ciro de sempre.

Continue lendo

Polícia

Política MT

Política Nacional

Polícia Federal

Mais Lidas da Semana