conecte-se conosco


Economia

Empresas vão transmitir a Copa do Mundo feminina para funcionários; saiba quais

Publicado

em

Cristiane, jogadora da seleção braisleira
Divulgação/Fifa

Primeiro jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo feminina aconteceu no último domingo (9)

De olho na diversidade e na igualdade de gêneros, grandes empresas que tem unidades nacionais vão paralisar suas atividades durante os jogos do Brasil na Copa do Mundo feminina de futebol. Assim como acontece durante o campeonato masculino, essas marcas vão permitir que seus funcionários assistam às partidas.

Leia também: Natura lança propaganda com beijo lésbico e internautas pedem boicote

Entre as empresas que vão transmistir os jogos da seleção brasileira na Copa do Mundo feminina estão o Grupo Boticário, por exemplo, que engloba cinco marcas — O Boticário, Eudora, quem disse, berenice?, Vult e The Beauty Box. 

Em todas as empresas do Boticário , haverá transmissões em telões ou pode ser liberado para assistir à partida em casa, dependendo do horário. Esse também é o caso de outras marcas e empresasque fazem parte da ação Com Você eu Jogo Melhor .

Além das marcas do Grupo Boticário, o site da campanha conta com outros 58 nomes que também paralisarão suas atividades nos dias de jogos da seleção feminina . Entre elas estão, por exemplo, Camicado, Unilever , Frooty e Roche.

Além dessas 63 empresas dentro da campanha, outras famosas, com Bayer, Heineken e Nubank transmitirão as partidas. Em algumas empresas, como na Bayer, também haverão conversas sobre a visibilidade do futebol feminino. Na Heineken haverá um bar com comida, refrigerante e cerveja e, no Nubank , até campeonato de embaixadinhas durante os intervalos das partidas.

Leia também: Burger King alfineta censura a comercial e é atacado por apoiadores de Bolsonaro

A Ambev e a Visa, que são patrocinadoras oficiais da seleção brasileira de futebol, também transmitirão os jogos da Copa do Mundo feminina em suas sedes.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Netflix decepciona investidores ao crescer menos que o esperado no trimestre

Publicado

em

por

site do netflix arrow-options
Getty Images

Receita subiu de US$ 3,91 bilhões para US$ 4,92 bi. Analistas esperavam US$ 4,93 bilhões

A Netflix adicionou menos assinantes trimestrais do que Wall Street esperava e sua base de clientes nos Estados Unidos encolheu à medida que sua programação não conseguiu atrair novos clientes, alertando investidores para a crescente concorrência.

As ações da Netflix caíram 13% no after-market desta quarta-feira (17), após a companhia divulgar resultados trimestrais e informar que perdeu 130 mil clientes dos EUA.

Saiba mais: Netflix pode ganhar US$ 1,3 bilhão por ano caso comece a ter propagandas

O serviço de streaming de vídeo dominante do mundo informou que atraiu 2,83 milhões de novos assinantes fora dos EUA, abaixo das expectativas de analistas que era de 4,8 milhões, segundo dados do IBES da Refinitiv. Analistas previam ganho de 352 mil nos Estados Unidos.

A Netflix previu crescimento de 7 milhões de clientes pagos no terceiro trimestre, com a ajuda de uma nova temporada do thriller sobrenatural “Stranger Things”, lançada em 4 de julho. Isso é mais otimista do que os 6,6 milhões previstos pelos analistas consultados pela Refinitiv.

Lista dos mais ricos do mundo é atualizada e Bill Gates perde segundo lugar

O lucro líquido caiu para US$ 270,7 milhões (US$ 0,60 por ação) no trimestre encerrado em 30 de junho, ante US$ 384,3 milhões (US$ 0,85 por ação) um ano antes. Já a receita total subiu de US$ 3,91 bilhões para US$ 4,92 bilhões. Analistas, em média, esperavam receita de US$ 4,93 bilhões.

Segundo o estrategista-chefe da Avenue Securities, William Castro Alves, um dos pontos de preocupação do mercado em relação à Netflix é que um menor crescimento coloca em xeque a solidez de seu balanço. Ele lembra que a empresa possui uma dívida total de US$ 12,6 bilhões e uma caixa de US$ 5 bilhões. Só neste primeiro semestre, a empresa queimou  mais de US$ 1 bilhão em atividades operacionais e investimento.  

“Quando há crescimento, é mais fácil contar com a leniência dos credores, mas e quando esse crescimento não vem? Como ficam as promessas de reverter a queima de caixa?  A empresa justificou a falta de crescimento pelo aumento de preços  que fez em algumas regiões e não vê problema na concorrência. Mas como fica a rentabilidade futura se a base de assinantes não cresce?” questiona Castro Alves.

Continue lendo

Polícia

Política MT

Política Nacional

Polícia Federal

Mais Lidas da Semana