conecte-se conosco


Política MT

Audiência da Vale que vai discutir ferrovia no estado terá participação da ALMT

Publicado

em

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) terá uma representação oficial na primeira audiência pública que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) fará em Belém (PA), na próxima segunda-feira (27), para discutir o investimento de R$ 4,2 bilhões de antecipação de outorga que a mineradora Vale vai destinar para a construção de 383 quilômetros de ferrovia, ligando Campinorte (GO) ao município de Água Boa (MT).

A solicitação para participar da audiência foi feita em plenário pelo deputado Wilson Santos (PSDB), vice-líder de governo na ALMT, e acatada pelo deputado Romoaldo Júnior (MDB), que presidia a sessão matutina realizada nesta terça-feira (21). Será a primeira ferrovia construída no País após a nova política adotada pelo Governo Federal para regulação do setor ferroviário.

O trecho a ser construído – conforme o deputado Wilson Santos – representa a ligação de Mato Grosso à Ferrovia Norte-Sul, alternativa fundamental para escoamento das grandes safras produzidas em Mato Grosso.

Os investimentos são oriundos da mineradora Vale, como contrapartida pelas prorrogações de seus contratos de concessão da ferrovia dos Carajás (Pará e Maranhão) e a ferrovia Vitória-Minas (Minas Gerais e Espírito Santo).

Conforme o deputado, existem duas ações tramitando na justiça – uma do Governo do Pará e outra do Governo do Espírito Santo – no sentido de impedir que os recursos beneficiem Mato Grosso e Goiás. Os dois governos consideram ilegal transferir os investimentos para o Centro-Oeste. “É pensamento dos paraenses que tudo que a Vale produzir tem que ser investido no Pará, querem que esse dinheiro fique só naquele estado. Não podemos negligenciar sobre esse assunto”, disse o deputado.

“Estaremos lá defendendo o sonho da ferrovia, o sonho de dotar Mato Grosso de infraestrutura completa para consolidarmos o estado como um gigante. Mato Grosso sempre foi esquecido pela União. Hoje, em pleno século XXI, a ferrovia não chegou a Cuiabá. E não basta chegar só em Cuiabá. Tem que chegar a Lucas do Rio Verde, Sinop, Guarantã do Norte, até o rio Tapajós”, sugeriu o parlamentar.

O deputado explicou que com esse braço, toda a produção de Mato Grosso poderá ser colocada em Goiás para subir, pela Ferronorte, e ser exportada pelo Porto do Itaqui, no Maranhão. “É um braço que sai da Norte-Sul e entra em Mato Grosso. Essa ferrovia virá até o Médio Norte, na região de Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Sorriso. Dali prosseguirá atravessando o Chapadão do Parecis até Vilhena (RO)”, disse.

O deputado Pedro Satélite (PSD), que deve formar a comitiva da ALMT na audiência, afirmou que a preocupação dos governantes do País, até os tempos atuais, sempre foi com investimento em rodovias. “Os governos esqueceram das ferrovias e das hidrovias. Há um lobby muito forte em Brasília impedindo os investimentos em mais ferrovias e hidrovias. Isso precisa mudar. Temos que ter alternativas que, inclusive barateiam o custo de transporte, como é o caso das ferrovias e hidrovias”, comentou.

Três das audiências que discutirão o tema já estão definidas. A primeira, no próximo dia 27 de agosto em Belém (PA), outra no dia 29 de agosto, em São Luís (MA), e a terceira no dia 17 de setembro, em Brasília (DF).

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Requerimento cobra informações da merenda escolar

Publicado

em

por

Foto: JLSiqueira / Secretaria de Comunicação Social

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) deverá fornecer informações a Assembleia Legislativa a respeito dos critérios adotados para formação do cardápio da merenda nas escolas públicas administradas pelo governo do Estado. Isso por conta da aprovação do Requerimento nº 505/2019, de autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSDB), na sessão ordinária do dia 10 de julho.

As informações serão consequências de respostas aos seguintes questionamentos: quais critérios são utilizados para a formatação do cardápio oferecido na merenda dos alunos da rede pública estadual de ensino? Qual o cardápio fornecido na rede pública estadual de ensino?  Existe uma padronização quanto aos alimentos ofertados para os alunos das escolas públicas estaduais localizadas na Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá e no restante do Estado?

Há ainda as seguintes questões: é possível aferir se existem problemas na distribuição da merenda aos estudantes da rede pública estadual de Ensino na Região do Vale do Rio Cuiabá e no restante do Estado? Caso não seja possível aferir os problemas na distribuição da merenda, qual a justificativa para a impossibilidade?

De acordo com a justificativa, o Parlamento busca ter conhecimento a respeito da comida fornecida na merenda escolar para que seja assegurado aos estudantes qualidade nutricional atendendo as diversas faixas etárias.

Continue lendo

Polícia

Política MT

Política Nacional

Polícia Federal

Mais Lidas da Semana